Ginástica

As desvantagens do Bodybuilding


Os riscos para a saúde do bodybuilding podem ser sérios.

Photodisc / Photodisc / Getty Images

A estátua de Farnese Hércules fica no Museu Arqueológico Nacional de Nápoles. Em 1893, Eugen Sandow tentou imitar a famosa pose de Hércules para uma sessão de fotos. Esse foi um momento crítico na história do fisiculturismo. Desde então, os atletas tentam moldar seus corpos em uma estética criada pelos gregos, há 2.500 anos. Existem muitas vantagens em praticar esse esporte. Você pode melhorar sua força e aprimorar sua habilidade. Você também pode ganhar a vida. Mas também existem desvantagens.

Esteja ciente da discriminação

A subjetividade desempenha um papel maior nos esportes baseados no julgamento, como o culturismo. Os organizadores deste esporte instruem os juízes a decidir qual competidor tem o conjunto de músculos mais equilibrado. No entanto, há um ser humano ligado a esses músculos durante uma competição. Os participantes têm diferentes características faciais e cores de pele. Eles também representam diferentes gêneros e idades. Esses fatores não devem afetar a pontuação estética dos participantes. No entanto, uma dissertação de junho de 2018 da Universidade de Gotemburgo lista potenciais vieses no culturismo profissional. O autor deste artigo se concentra nas questões de gênero, mas os fisiculturistas também enfrentam outras formas de discriminação. Por exemplo, um artigo de janeiro de 2016 no Art Journal descreve especulações sobre como o comportamento nos bastidores de um atleta o impedia repetidamente de ganhar um dos títulos mais cobiçados no culturismo - o Sr. Olympia.

Baixa disponibilidade de energia

A maioria dos fisiculturistas planejou ciclos de consumo de energia. Eles normalmente seguem uma dieta hipercalórica na temporada de treinamento e uma dieta hipocalórica na temporada de competição. Infelizmente, a dieta hipocalórica faz com que eles entrem em uma fase de baixa disponibilidade de energia. Os nutricionistas consideram esse estado perigoso, pois tem muitos efeitos negativos sobre a saúde e o bem-estar da pessoa. Um relatório de julho de 2018 no International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism descreve esses efeitos, que incluem doenças mentais e desequilíbrio hormonal. Ironicamente, um estado de baixa energia também desencadeia perda muscular. Os fisiculturistas geralmente respondem a essa perda trabalhando ainda mais, criando um ciclo de problemas de saúde.

Maior risco de lesões

A intensa rotina de treinamento dos fisiculturistas os coloca em risco de lesões. De fato, fisiculturistas e golfistas sofrem mais lesões do que os participantes de qualquer outra atividade de lazer, de acordo com uma pesquisa de junho de 2018 no Journal of Exercise Rehabilitation. Uma pesquisa semelhante mostrou que 45% dos fisiculturistas agora têm uma lesão. Este estudo, publicado na edição de outubro de 2014 do International Journal of Sports Medicine, também mostrou que os fisiculturistas mais velhos têm uma taxa de lesões ainda maior. Os autores do estudo de 2014 observaram que os entrevistados mais frequentemente sofreram lesões na região lombar, ombro, cotovelo e joelho. Além disso, muitos dos atletas relataram viver com dor crônica.

Ansiedade Social e Dismorfia

Fisiculturistas profissionais e amadores também experimentam mais distúrbios psicossociais do que a maioria dos outros atletas. De fato, os psiquiatras criaram uma condição específica - dismorfia muscular - apenas para eles. Esse distúrbio afeta cerca de 10% de todos os membros masculinos da academia, de acordo com uma revisão de agosto de 2016 na Psychology Research and Behavior Management. Pessoas com essa condição obcecam com a forma e o tamanho de seus músculos. Eles investem muito dinheiro e se esforçam muito para melhorar sua muscularidade. Uma análise de junho de 2017 no Scientific Reports descreve as consequências negativas dessa condição. Os autores observaram que muitos fisiculturistas se envolvem em comportamentos de risco para atingir seu objetivo de ficar mais magros e maiores. Eles podem, por exemplo, desenvolver uma dependência emocional de laxantes e esteróides. Seus comportamentos e medos podem levar a intensos sentimentos de ansiedade social. Eles normalmente evitam revelar situações como banheiros públicos e praias para gerenciar essa ansiedade.